• Guto Martinez

Don Melchor, nota 100 com louvor

Safra 2018 do Cabernet Sauvignon ícone de Puente Alto alcança 100 pontos no James Suckling e expressa a emoção única dos grandes vinhos, graças a uma colheita sem precedentes e a condições meteorológicas ideais. Em breve, estará disponível em todo país, para alegria dos fãs desse emblemático vinho.


Uma das mais grandiosas da história de Don Melchor, com condições de vindima praticamente ideais, a safra 2018 conquistou a mais perfeita pontuação que um vinho pode receber: 100 pontos conferidos pelo crítico norte-americano James Suckling, um marco para o setor vitivinícola chileno. Com a obtenção deste marco histórico, Don Melchor consolida sua posição como um dos grandes Cabernet Sauvignon de alta gama no mundo. “Sem dúvida, a qualidade excepcional do Don Melchor não seria possível sem o terroir de Puente Alto, seu vinhedo, solo e clima, que nos permitem produzir um vinho único em cada safra”, explica Enrique Tirado, enólogo e diretor técnico da Viña Don Melchor.

A expressão da fruta e a qualidade das texturas obtidas no vinhedo, com presença marcada de frutas vermelhas - expressão clara de um Cabernet Sauvignon de Puente Alto, aliás- , taninos suaves e elegantes, resultam em um vinho de grande elegância e densidade, com diferentes camadas de aromas e sabores, além de um nariz prolongado e persistente. “Isto é alucinante. A vitalidade e a energia neste vinho são deslumbrantes. A complexidade dos aromas é impressionante, com flores, cassis, framboesa e pêssego. Corpo amplo, ainda que muito refinado e polido, com uma beleza e textura impecável. A permanência é maravilhosa. Este é um testemunho do equilíbrio, da harmonia e da transparência em um grande tinto”, afirma James Suckling.

Esta pontuação máxima posiciona o terroir de Puente Alto entre os melhores do mundo, um lugar com condições únicas, capaz de mostrar ao mundo o potencial que o Chile tem para produzir grandes vinhos, e a origem que vem impulsionando há mais de 30 anos a viticultura e enologia de alta qualidade no país. O trabalho rigoroso por trás da elaboração do Don Melchor se infunde na obsessão da equipe enológica e agrícola por compreender cada detalhe do vinhedo, estudando minuciosamente seus solos, entendendo a expressão do terroir e respeitando a essência do vinhedo em cada processo do vinho.

“A perseverança na busca pela melhor expressão e qualidade nos permitiu obter na safra 2018 o que chamamos de safra perfeita. Os vinhos são muito expressivos, com a maturação exata, resgatando toda a expressão da fruta do Cabernet Sauvignon e do Cabernet Franc”, afirma o enólogo.

A safra 2018

A safra 2018 é uma das grandes safras na história do vinho Don Melchor, na qual a vindima transcorreu em condições praticamente ideais. A primeira parte da temporada se desenvolveu com boa quantidade e concentração de precipitação, acumulando 338,2 mm entre os meses de maio e outubro de 2017. O período posterior foi mais seco, atingindo um total acumulado de 343,8 mm no final da vindima, em abril de 2018. Isto permitiu aos solos manter uma reserva hídrica muito boa, favorecendo o bom crescimento dos brotos.

Na primavera, a partir do mês de novembro, a temperatura subiu significativamente, permitindo no final de janeiro e princípio de fevereiro, que os cachos se desenvolvessem rapidamente e de maneira mais concentrada, antecipando uma boa homogeneidade no seu amadurecimento. Posteriormente, na segunda metade do período de amadurecimento, as baixas temperaturas noturnas em março e abril ajudaram a atingir um ótimo amadurecimento na época da colheita, conservando toda a expressão de fruta e uma excelente maturação dos taninos.

A colheita decorreu principalmente no mês de abril, terminando na primeira semana de maio, com praticamente ausência de precipitação, temperaturas quentes durante o dia, mas noites bastante frias, condições ideais para a colheita e que permitiram acompanhar muito de perto cada lote do vinhedo e colher a uva em seu momento exato. Don Melchor 2018 possui o caráter único dos grandes vinhos e das grandes safras. É composto por 91% Cabernet Sauvignon, 5% Cabernet Franc, 3% Merlot, 1% Petit Verdot e passou 15 meses em barris de carvalho francês, sendo 67% de primeiro uso e 33% de segundo uso.


Sobre Enrique Tirado

Uma das figuras mais influentes do cenário vitivinícola nacional, o enólogo Enrique Tirado é há mais de 20 anos o responsável pelo Don Melchor, o primeiro vinho ícone chileno e uma verdadeira referência da cepa em nível mundial. Além disso, desde 2019 assumiu a Gerência Geral da Viña Don Melchor, enfrentando este importante desafio através de sua profunda experiência e capacidade para liderar esta empresa. Engenheiro agrônomo com formação em enologia pela Universidade Católica do Chile, uma de suas qualidades mais distintivas é a extraordinária sensibilidade enológica, rigor e meticuloso trabalho na direção de Don Melchor.

Junto com seu excepcional trabalho a cargo de Don Melchor, Enrique Tirado participa ativamente da Viña Almaviva, aliança estratégica entre a adega francesa Barão Philippe de Rothschild e a Concha y Toro, primeiro como coenólogo com Patrick León e, desde 2004, como diretor da Viña Almaviva. Por sua vez, desde a criação de Don Melchor, em 1987, Enrique trabalha em conjunto com o destacado assessor francês Jacques Boissenot, consultor dos mais renomados Châteaux de Bordeaux, no processo de definição do blend final do vinho. Hoje é Eric Boissenot quem continua o legado de seu pai e colabora com Enrique Tirado neste processo.

O Terroir

O Vale do Maipo constitui a região vitivinícola de maior prestígio do Chile e é neste lugar onde, precisamente, está localizado o vinhedo Don Melchor. Localizado aos pés da Cordilheira dos Andes, na ribeira norte do Rio Maipo - a 650 metros acima do nível do mar - o vinhedo Don Melchor desempenhou um importante papel na história moderna do vinho chileno. Situado em uma das zonas mais frias dentro do Vale do Alto Maipo, marcada por um clima mediterrâneo semiárido, com uma temperatura média anual de 14,4 °C e uma pluviometria média de 350 mm., o vinhedo está plantado com variedades francesas pré-filoxera que foram importadas da França em meados do século XIX.

Uma das qualidades mais importantes do vinhedo corresponde às características de seu solo: pobre em nutrientes e de uma constituição diversa, está composto por argila, limo, areia, cascalho e pedras arredondadas produto da erosão milenar causada pelas geleiras que avançaram desde as montanhas em direção ao vale, arrastando material que logo deu origem aos terraços. Estes solos garantem uma boa drenagem e uma baixa fertilidade, o que ocasiona uma restrição no crescimento vegetativo das plantas, favorecendo a concentração e o amadurecimento natural dos cachos.

A majestosa Cordilheira dos Andes constitui outro elemento crucial neste extraordinário terroir. Devido à influência fria, que se manifesta na forma de brisas frescas e de uma grande amplitude térmica entre o dia e a noite durante o período de amadurecimento, a maturação ocorre de forma lenta e homogênea junto com a conservação de uma acidez precisa, fruta vermelha fresca e uma maior concentração de cor, aromas e sabores nos cachos.

O vinhedo está formado por 127 hectares, dos quais 90 % correspondem a Cabernet Sauvignon, 7,1 % a Cabernet Franc, 1,9 % a Merlot e 1 % a Petit Verdot.

O Vinho

A cada ano, o enólogo Enrique Tirado percorre o vinhedo, provando fileira por fileira e checando a maturação dos cachos para definir o momento exato no qual a uva deve ser colhida. A vindima de Don Melchor é determinada após a degustação e a realização de análises específicas na uva. As frutas são colhidas manualmente, entre meados de abril e princípio de maio e apenas aquelas bagas de uva maduras, intactas e saudáveis são selecionadas para a fermentação em tanques de aço inoxidável. Cada seção homogênea é vinificada separadamente, com especial cuidado com a temperatura e as remontagens de cada tanque. A cor e os taninos são extraídos do bagaço e das sementes da uva através de uma delicada maceração. Após a fermentação, o bagaço juntamente com as sementes é prensado para preservar a máxima qualidade dos taninos da uva. Uma nova safra de Don Melchor nasce quando é definida a proporção dos distintos Cabernet Sauvignon, provenientes dos diversos lotes do vinhedo, que formarão o blend final, podendo chegar a representar 60 a 70% do vinho total.

Alguns anos, pequenas porcentagens de Cabernet Franc, Merlot e Petit Verdot são adicionadas para entregar complexidade e elegância ao blend final. Assim, todos os anos no povoado de Lamarque, Bordeaux, na França, o enólogo Enrique Tirado se reúne com Eric Boissenot - filho do renomado consultor bordalês Jacques Boissenot - para degustar em torno de 150 lotes do vinhedo, selecionando apenas aqueles que, na proporção exata, definirão uma nova safra de Don Melchor. Uma vez definida a mescla, a nova safra de Don Melchor é transferida para barris de carvalho francês dos bosques de Allier, Tronçais e Nevers. Cerca de dois terços dos barris são novos e o terço restante já foi usado anteriormente. Após um período de 14 a 15 meses, o vinho é engarrafado e continua seu envelhecimento por mais um ano, desenvolvendo assim a complexidade e a elegância próprias de Don Melchor.

©2019 by Vinho e Gastronomia. Proudly created with Wix.com